# FBG & VOCÊ

A informação de qualidade é

um aliado essencial na prevenção

e diagnóstico dos distúrbios

gastroenterológicos

NUTRIÇÃO

Responsabilidade de conteúdo e produção: 

ENCONTRE O
GASTROENTEROLOGISTA
MAIS PRÓXIMO DE VOCÊ

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

E receba nossos conteúdos exclusivos

Cálculo nas vias biliares

O que é o cálculo nas vias biliares?

Também conhecido como “pedra na vesícula”, o cálculo nas vias biliares (ou cálculo biliar, simplesmente) é uma doença que acomete a vesícula, órgão localizado abaixo do lobo direito do fígado e que tem a função principal de armazenar a bile, líquido que atua na digestão de gorduras no intestino.

Este líquido é composto pela mistura de várias substâncias, incluindo o colesterol, que é o responsável pela formação dos cálculos na região. Essas “pedras” impedem o fluxo da bile e provocam uma inflamação chamada colecistite.

Dentre os sintomas mais frequentes estão:

  • Dor intensa do lado direito superior do abdômen, que se espalha para a parte de cima do tórax e costelas;
  • Febre;
  • Náuseas;
  • Vômitos.

O médico gastroenterologista deve ser consultado para a investigação dos sintomas, diagnóstico e tratamento em cada caso.

Constipação intestinal

O que é constipação intestinal?

A constipação intestinal – ou “prisão de ventre”, como é conhecida popularmente – é uma doença em que uma pessoa evacua menos de três vezes por semana ou tem dificuldade para evacuar, considerando o período mínimo de três meses de duração da alteração no funcionamento do intestino e qualidade das fezes (que tendem a ser mais ressecadas).

A doença é provocada, na maioria dos casos, pelo consumo insuficiente de fibras, água e ausência da prática de atividade física, fatores fundamentais para manter o bom funcionamento gastrointestinal.

Entre os sintomas da constipação intestinal estão:

  • Dificuldade durante a evacuação (esforço);
  • Evacuação incompleta;
  • Fezes mais duras e ressecadas do que o normal;
  • Inchaço ou dor abdominal
  • Duas ou menos evacuações por semana;
  • Vômitos (em casos mais severos).

Ao perceber os sintomas, o paciente deve procurar um médico gastroenterologista para o diagnóstico e tratamento adequados.

Diarreia (Aguda e Crônica)

O que é diarreia (aguda e crônica)?

A diarreia consiste em uma enfermidade em que há o aumento do volume das fezes, diminuição na sua consistência ou aumento de aquosidade, com maior frequência (ou não) das evacuações.

A complicação pode ocorrer por várias causas, entre elas, procedimentos cirúrgicos na região do intestino ou estômago, uso de medicamentos, aumento de bactérias, vírus ou verminosos no organismo, ingestão de alguns tipos de alimentos e até por estresse.

Normalmente, os sintomas incluem:

  • Desconforto ou dores abdominais;
  • Excesso de flatos;
  • Cólica;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Presença de sangue ou pus nas fezes (disenteria).

Além disso, existem dois tipos diferentes de diarreia:

1 – Aguda: causada por bactérias, vírus ou parasitas presentes em alimentos contaminados ou com alto teor de fibras, chás, café, leite e derivados, refrigerantes, chocolate, açúcares, medicações, entre outros.

2 – Crônica: causada por doenças inflamatórias do intestino, alterações da imunidade (como no caso da AIDS), cânceres intestinais, alergias alimentares, entre outros.

O diagnóstico das diarreias aguda e crônica deve ser feito através de um médico gastroenterologista, que irá proceder com o tratamento adequado para ambas.

Disfagia

O que é disfagia?

A disfagia consiste na dificuldade para engolir alimentos ou líquidos (deglutição), podendo variar entre um leve desconforto nas regiões da garganta ou esôfago até um bloqueio total e doloroso.

Existem dois tipos básicos de disfagia, que apresentam diferenças em relação ao local onde vão ocorrer e, portanto, aos sintomas:

  • Disfagia oral ou orofaríngea: provocada por alterações que afetam a região bucal e a faringe, localizadas na garganta. Acontece, geralmente, em idosos ou pacientes com histórico de disfunções neuromusculares e pode vir acompanhada de engasgos e, em alguns casos, com regurgitação de líquidos pelas narinas.
  • Disfagia esofagiana ou de transporte: causada pela dificuldade de passagem do alimento após a deglutição, levando a engasgos ou “entalo” na região central do peito. De modo geral, está associada a outras complicações gastroenterológicas.

A recomendação é procurar um médico gastroenterologista para avaliação e tratamento.

Doença Celíaca

O que é a doença celíaca?

Trata-se de uma doença autoimune que acomete o intestino delgado desencadeada pela ingestão de glúten em pessoas geneticamente pré-dispostas.

Ocorre em geral aceleração do trânsito intestinal desencadeada por vários alimentos, dentre eles, o trigo, cevada, aveia, centeio e seus derivados, como massas, pizzas, pães, bolos, biscoitos, doces, entre outros.

Dentre os sintomas mais comuns da doença celíaca estão:

  • Diarreia crônica;
  • Distensão abdominal;
  • Prisão de ventre crônica;
  • Vômitos;
  • Dor abdominal;
  • Eventual desnutrição com déficit de crescimento;
  • Emagrecimento e falta de apetite;
  • Anemia ferropriva;

Em caso de suspeita, procurar o gastroenterologista para diagnóstico e  tratamento que inclui dieta isenta de glúten.

Doença de Crohn

O que é a Doença de Crohn?

A Doença de Crohn é uma complicação inflamatória do trato gastrointestinal. Ela acomete a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon), mas pode ocorrer também em qualquer parte do tubo digestivo.

Trata-se de uma doença crônica provocada pela desregulação do sistema imunológico. Dentre os sintomas mais comuns estão:

  • Diarreia e cólica abdominal (ocasionadas de forma lenta ou súbita, geralmente, após as refeições);
  • Febre;
  • Sangramento retal (em alguns casos);
  • Perda de apetite e peso;
  • Dores articulares;
  • Lesões na pele e na região anal (hemorroidas, fístulas, fissuras e abscessos).

O diagnóstico e tratamento são estabelecidos por um gastroenterologista.

Doença Diverticular

O que é a Doença Diverticular?

A doença diverticular (também conhecida como diverticulose) é uma complicação que afeta a parede intestinal (cólon), acarretando a formação de uma grande número de pequenas bolsas da parede intestinal (de 2,5 mm a 2,5 cm, aproximadamente) chamadas divertículos, semelhantes à ponta de um dedo de luva, que são projetadas para fora da estrutura dos intestinos.

Essas bolsas podem fixar-se em qualquer parte do trato intestinal, sendo mais comum se localizarem no intestino grosso. Quando elas inflamam, geram uma diverticulite.

A diverticulose aumenta com a idade, estando idosos em maior risco.

Principais sintomas:

  • Dor abdominal intermitente, principalmente no quadrante inferior esquerdo, que pode se intensificar com a ingestão de alimentos e ser aliviada através da defecação;
  • Distensão abdominal;
  • Alterações do trânsito intestinal, como obstipação ou episódios de diarreia (ou uma alternância entre os dois padrões).

Caso você identifique um ou mais sintomas (que podem se confundir com os de outras doenças, como é o caso da síndrome do intestino irritável, por exemplo), o ideal é consultar um médico gastroenterologista para mais informações sobre o diagnóstico e tratamento.

Dispepsia

O que é Má digestão (Dispepsia)?

A dispepsia, conhecida popularmente como “má digestão”, é a sensação de desconforto na parte superior do abdômen durante ou após as refeições.
Para serem absorvidos pelo intestino delgado, os alimentos necessitam ser digeridos passando pela ação do suco gástrico, que transforma o alimento em partículas pequenas. Contudo, quando o estômago é sobrecarregado, se esvazia mais lentamente ou há consumo de alimentos de difícil digestão, é relativamente comum as queixas de má digestão.

Os sintomas mais comuns de indigestão é:

  • Sensação de estômago cheio sem que se esteja satisfeito;
  • Desconforto no abdômen superior;
  • Estufamento e sensação de plenitude após a alimentação;
  • Queimação e/ou inchaço no abdômen.

Para conhecer mais detalhes inclusive sobre as eventuais complicações consulte um gastroenterologista.

DRGE

O que é a DRGE?

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) ocorre quando o conteúdo do estômago (ácidos e outros componentes) retorna ao esôfago e provoca desconfortos e/ou complicações, como azia, por exemplo.

Este é considerado um dos diagnósticos mais comuns na gastroenterologia, pois se trata de um problema que afeta cerca de 12% a 20% da população brasileira. Entre as causas mais comuns para esse refluxo estão, principalmente, relaxamentos aleatórios do esfíncter esofágico inferior, um músculo em forma de anel responsável por controlar a entrada de alimentos no estômago e impedir o retorno dos mesmos para o esôfago. 

Os principais sintomas da DRGE são: 

Mais frequentes:

  • Azia (sensação de queimação no peito);
  • Regurgitação (conteúdo do estômago voltando para a boca).

Outros:

  • Dor torácica não-cardíaca (DTNC);
  • Asma;
  • Tosse crônica;
  • Fibrose pulmonar idiopática;
  • Apneia do sono.

Ao perceber quaisquer desses sintomas, o paciente deve procurar ajuda de um médico gastroenterologista para uma avaliação, possível diagnóstico e tratamento.

H. Pylori

O que é Helicobacter Pylori (H. Pylori)?

É uma bactéria comumente encontrada no estômago que infecta o órgão, geralmente, na infância, podendo levar ao desenvolvimento de doenças como gastrite e úlcera péptica. 

O H. Pylori está presente em cerca de 70% da população brasileira em idade adulta. Entre os principais sintomas estão:

  • Dor ou queimação no abdômen;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Arrotos frequentes;
  • Estufamento;
  • Perda de peso.

O diagnóstico é feito por meio de exames comuns, como os de sangue, fezes e urina, o que requer uma consulta a um médico gastroenterologista.

Hepatites

O que são hepatites?

As hepatites virais são infecções que atingem o fígado, alterando o seu funcionamento, o que pode acontecer de forma leve, moderada ou grave. Geralmente, essas doenças são silenciosas e, portanto, não apresentam sintomas até que atinjam um estágio avançado.

Quando os sintomas estão presentes, pode ocorrer:

  • Cansaço;
  • Febre;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Pele e olhos amarelados;
  • Dores abdominais;
  • Fezes claras e urina escura.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são aquelas causadas pelos vírus A, B, C e D. Existe também a do tipo E, mas é rara entre brasileiros, sendo mais facilmente encontrada na Ásia e África.

Precisa de um diagnóstico? Procure um médico gastroenterologista.

Intolerância à Lactose

O que é intolerância à lactose?

A intolerância à lactose caracteriza-se pela dificuldade na digestão do leite e seus derivados, ocasionando sintomas e impactos na qualidade de vida, condição que pode ocorrer em razão de questões genéticas ou infecções intestinais.

Consiste na deficiência de lactase que é a enzima responsável pela digestão da lactose presente no leite. A falta de lactase para promover a digestão do leite pode ocorrer desde o nascimento, ou seja, congênita, mas eventualmente pode também ocorrer temporariamente após uma infecção intestinal.

Para saber mais detalhes inclusive sobre as possíveis complicações consulte um gastroenterologista.

Microbiota Intestinal

O que é microbiota intestinal?

A microbiota intestinal é a população de micro-organismos (bactérias, vírus e fungos) que habita todo o trato gastrointestinal, e mantém a saúde da mucosa, controlando a proliferação de bactérias perigosas.

Lembre-se sempre de consultar o seu gastroenterologista!

Probióticos

O que são probióticos?

Os probióticos são microorganismos vivos que ajudam no equilíbrio da microbiota intestinal (bactérias que vivem no intestino). A microbiota intestinal é importante para a saúde humana e os probióticos, portanto, auxiliam na prevenção e tratamento de diversas doenças, tais como constipação (prisão de ventre), diarréia e outras, trazendo benefícios à saúde. 

Os probióticos são encontrados comumente em alimentos, tais como leite fermentado e alguns iogurtes, podendo ser de diversos gêneros e espécies, como é o caso dos Lactobacilos, um dos mais conhecidos.

Os prebióticos, são componentes que, por sua vez, atuam como “alimentos” das bactérias que compõem os probióticos, encontrados geralmente em alimentos como cebola, aveia, tomate e banana, entre outros. Os prebióticos alimentam as bactérias intestinais e fazem com que elas se reproduzam o mesmo ocorrendo com as bactérias que constituem os probióticos.

Para mais informações sobre os benefícios destes alimentos, consulte um médico gastroenterologista.

Pancreatite (Aguda e Crônica)

O que é pancreatite (aguda e crônica)?

A pancreatite é a inflamação do pâncreas, que ocorre quando as enzimas digestivas produzidas pelo órgão são liberadas em seu interior, promovendo a sua destruição de forma aguda ou crônica, com a ocorrência de dor.

  • Aguda: a pancreatite aguda acontece quando há a destruição repentina do tecido do pâncreas. 
  • Crônica: já a pancreatite crônica é aquela em que a destruição é progressiva, ou seja, piora ao longo do tempo, podendo causar danos permanentes.

Dentre os sintomas podem ocorrer:

  • Dor intensa na parte superior do abdômen, geralmente, após as refeições, podendo se espalhar para as costas e se intensificar com o tempo;
  • Inchaço e sensibilidade na barriga;
  • Náuseas e vômitos;
  • Febre;
  • Fezes amareladas ou brancas e com sinais de gordura;
  • Aumento dos batimentos cardíacos;
  • Desnutrição, já que a digestão é incompleta e os nutrientes não conseguem ser absorvidos pelo intestino;
  • Perda de peso sem motivo aparente.

O diagnóstico da complicação deve ser feito junto a um médico gastroenterologista, que deverá investigar a causa e prescrever o tratamento adequado para cada caso.

Refluxo Gastroesofágico

O que é refluxo?

A doença do refluxo gastroesofágico é uma enfermidade onde o suco gástrico, ou seja, o conteúdo ácido do estômago reflui para o esôfago, irritando a mucosa esofágica e provocando sintomas.

Os sintomas mais comuns da doença do refluxo gastroesofágico são:

  • Azia (sensação de queimação);
  • regurgitação (gosto ácido na boca);
  • desconforto abdominal, estufamento;
  • mais raramente: tosse seca, pigarro, rouquidão.


O diagnóstico deve ser estabelecido pelo médico através das queixas clínicas e exames quando necessário. O tratamento consiste de medicamentos mais cuidados como: comer devagar, evitar deitar após as refeições e o consumo de álcool e alimentos gordurosos.

A doença do refluxo é uma condição clínica muito frequente no nosso dia a dia. E embora em muitos casos seja popularmente confundido com a má digestão, o refluxo acarreta um impacto na alimentação e na qualidade de vida dos pacientes e necessita ser tratado convenientemente.

Para saber mais detalhes inclusive sobre as possíveis complicações da doença do refluxo gastroesofágico consulte um gastroenterologista.

O que é síndrome do intestino irritável?

O que é síndrome do intestino irritável?

A síndrome do intestino irritável é um distúrbio do trato digestivo que provoca dor abdominal e constipação intestinal e/ou diarreia.

A síndrome do intestino irritável pode prejudicar o funcionamento das atividades normais do organismo como, por exemplo, o movimento do intestino, a sensibilidade dos nervos intestinais ou o modo como o cérebro controla algumas dessas funções. Prejudica a qualidade de vida e pode estar relacionada ao estresse, tensão. O diagnóstico é fundamentalmente clínico, mas em alguns casos são necessários exames como a colonoscopia para excluir outras causas dos sintomas.

Para saber mais detalhes sobre o diagnóstico e tratamento o gastroenterologista deve ser consultado.

Endoscopia Digestiva Alta

Como é feita e para que serve?

O exame de endoscopia alta serve para analisar a parte superior do trato gastrointestinal, que inclui as mucosas do esôfago, estômago e duodeno (primeira fração do intestino delgado). Ele é feito a partir de um tubo longo, fino e flexível chamado endoscópio, que possui um chip e câmera na extremidade e tem a função de capturar imagens do sistema digestivo.

Entre as doenças que podem ser diagnosticadas através da endoscopia estão:

  • Gastrite;
  • Varizes esofágicas;
  • Hérnia de hiato e refluxo gastroduodenal;
  • Úlcera gástrica ou duodenal;
  • Pólipos.

 

Quando fazer?

Existem indicações que são determinadas caso-a-caso pelo médico gastroenterologista frente, por exemplo, aos seguintes sintomas.

  • Azia ou pirose (queimação no estômago);
  • Fezes escuras;
  • Náuseas e vômitos frequentes;
  • Vômito acompanhado de sangue;
  • Sensação de refluxo ácido;
  • Dores na região superior do abdômen;
  • Anorexia ou perda de peso sem motivo aparente.

Colonoscopia

Como é feita e para que serve?

O exame de colonoscopia serve para analisar o cólon, mais conhecido como intestino grosso, e é feito a partir de um tubo fino, longo e flexível chamado colonoscópio, que possui uma microcâmera para capturar imagens da região.

Durante o procedimento, o aparelho é introduzido pelo ânus e levado até o início do cólon e final do intestino delgado. Dentre as doenças que podem ser diagnosticadas através da colonoscopia estão:

  • Câncer do cólon;
  • Sangramento nas fezes;
  • Diarreia persistente ou outras alterações desconhecidas no hábito intestinal;
  • Diverticulose;
  • Tuberculose intestinal;
  • Retocolite ulcerativa;
  • Doença de Crohn;
  • Anemia de origem desconhecida.

Manometria Anorretal

Como é feita e para que serve?

O exame de manometria anorretal serve para ajudar no diagnóstico das principais causas da dificuldade de evacuação ou perda indesejada das fezes (incontinência fecal). Para isso, utiliza-se uma sonda plástica (balão) conectada a um receptor, que é introduzida pelo ânus para conseguir medir a pressão muscular da região.

Na prática, são avaliadas as funções dos músculos do esfíncter anal, que incluem a pressão de repouso, de contração, de esforço evacuatório, comprimento do canal anal, função motora do reto, sensação retal, complacência, reflexos anorretal, e são fundamentais para realizar os movimentos normais do intestino.

O procedimento pode ser feito em qualquer idade, já que é pouco invasivo e indolor. A duração média é de 20 minutos.

Retossigmoidoscopia

Como é feita e para que serve?

O exame de retossigmoidoscopia serve para analisar a parte final do intestino grosso. Durante o procedimento, introduz-se um tubo longo e fino (que pode ser flexível ou rígido) com uma câmera na ponta para detectar possíveis alterações ou doenças na região.

Apesar de ser parecida com a colonoscopia, a retossigmoidoscopia tem como diferencial a visualização apenas do reto e do cólon sigmóide, que corresponde aos últimos 30 centímetros do intestino, além de não necessitar de sedação ou lavagem intestinal do paciente.

Entre as doenças que podem ser diagnosticadas através do exame estão:

  • Câncer colorretal;
  • Diverticulose;
  • Colite fulminante;
  • Sangramentos.

Câncer do Esôfago

O que é o câncer do esôfago?

É um tipo de neoplasia maligna que atinge o esôfago, tubo que liga a garganta ao estômago.  O risco estimado é de 8,2 casos novos a cada 100 mil homens e 2,49 para cada 100 mil mulheres.

O carcinoma epidermoide escamoso é o tipo mais comum, responsável por 96% dos casos. Outro tipo, o adenocarcinoma, vem aumentando significativamente.

Apesar de o câncer de esôfago não apresentar sinais em sua fase inicial, entre os sintomas mais comuns da doença durante a progressão estão:

  • Dor ou dificuldade ao engolir (disfagia);
  • Dor retroesternal (atrás do osso do meio do peito);
  • Sensação de obstrução da passagem de alimentos;
  • Dor torácica;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Perda de apetite/emagrecimento.

O diagnóstico é feito pelo especialista através de vários exames e, quanto mais cedo a complicação for detectada, maior a probabilidade de cura.

Câncer do Estômago

O que é o câncer do estômago?

Também conhecido como câncer gástrico, o câncer de estômago diz respeito aos tumores malignos que acometem o órgão, que podem ser dos tipos linfomas, sarcomas e adenocarcinomas, sendo este último o responsável por cerca de 95% dos casos da doença.

No Brasil, é o terceiro tipo mais frequente entre os homens e o quinto entre as mulheres. Apesar de não apresentar sintomas específicos, há alguns sinais que podem sugerir para o diagnóstico do, tais como:

  • Perda de peso sem motivo aparente;
  • Falta de apetite;
  • Sensação de estômago cheio;
  • Fadiga;
  • Náuseas;
  • Vômitos (às vezes, com sangue);
  • Desconforto/dor abdominal persistente;
  • Sangue nas fezes ou fezes escurecidas, pastosas e com odor muito forte;
  • Massa palpável na parte superior do abdômen.

Ao perceber quaisquer desses sintomas, a recomendação é procurar um médico gastroenterologista para o diagnóstico e tratamento.

Câncer do intestino ou Colorretal

O que é o câncer do intestino ou colorretal?

Também conhecido como câncer de cólon e reto ou colorretal, diz respeito aos tumores que se iniciam na parte do intestino grosso chamada cólon e no reto (final do intestino, imediatamente antes do ânus) e ânus. 

É o tipo de câncer mais incidente, mas é tratável e, se diagnosticado precocemente, também é curável, na maioria dos casos. Por isso, é preciso ficar atento aos sintomas, que incluem:

  • Sangue nas fezes;
  • Dor ou desconforto abdominal;
  • Alteração do hábito intestinal para diarréia ou prisão de ventre.
  • Fraqueza e anemia;
  • Perda de peso sem causa aparente;
  • Massa (tumoração) abdominal.

Quando os sintomas estão presentes, o médico gastroenterologista deve ser procurado.

Câncer do pâncreas

O que é o câncer do pâncreas?

O câncer de pâncreas diz respeito aos tumores malignos que acometem essa glândula, que faz parte do sistema digestivo e endócrino e é responsável pela produção de hormônios importantes para o corpo humano, como insulina, somatostatina e glucagon.

O tipo mais comum da doença é o adenocarcinoma correspondendo a 90% dos diagnósticos.

Por ser um câncer de difícil detecção e, em contrapartida, bastante agressivo, é necessário ficar atento aos sintomas, especialmente se você tem mais de 60 anos ou foi diagnosticado recentemente com diabetes na fase adulta. Quanto mais cedo, maiores as chances de cura. Alguns dos sinais são:

  • Perda de peso;
  • Falta de apetite;
  • Fraqueza;
  • Urina escura;
  • Dor abdominal;
  • Olhos e peles amarelados (icterícia);
  • Dores nas costas;
  • Náuseas.

O gastroenterologista deve ser consultado.

Câncer das vias biliares

O que é o câncer das vias biliares?

Trata-se de um tipo de câncer raro e compreende a formação de tumores malignos nos canais que transportam a bile (líquido que atua na digestão de gorduras no intestino) do fígado para a vesícula biliar. 

É mais comum entre pessoas acima dos 60 anos e pode ser induzido por diversos fatores, embora a causa possa ser desconhecida: “pedras” (cálculos) na vesícula, fumo, inflamação na região, exposição a substâncias tóxicas, obesidade ou infecção por parasitas. Dentre os principais sintomas do câncer das vias biliares estão:

  • Dor de barriga;
  • Perda de peso;
  • Pele e olhos amarelados (icterícia);
  • Falta de apetite;
  • Coceira generalizada;
  • Febre;
  • Inchaço na barriga;
  • Náuseas;
  • Vômitos.

Ao notar qualquer um dos sintomas, a recomendação é procurar um médico gastroenterologista.

Câncer do fígado

O que é o câncer do fígado?

O câncer do fígado é um tipo de tumor maligno bastante agressivo que afeta as células do órgão, como os hepatócitos, canais biliares ou vasos sanguíneos. 

Ele pode surgir de duas formas: primária (quando se origina na própria região) ou secundária, do tipo metastático (quando começa em outro órgão e, com a progressão da doença, atinge também o fígado).

Este último é o mais frequente e, geralmente, decorre de tumores surgidos no reto ou intestino grosso. Dentre os sintomas mais comuns da complicação estão:

  • Perda de peso sem motivo aparente;
  • Falta de apetite;
  • Pele e olhos amarelados (icterícia);
  • Dor abdominal;
  • Distensão abdominal.

O diagnóstico do câncer do fígado é feito pelo gastroenterologista através de exames como tomografia, ressonância magnética e laparoscopia. Por isso, recomendação é procurar um médico gastroenterologista.